41 98833-5979 mozart@claims.eng.br

A Engenharia de Custos integra os métodos e processos da Engenharia com a Contabilidade de Custos. É razoável concebê-la como sendo o agrupamento do conhecimento das áreas do gerenciamento do escopo, do gerenciamento do tempo, do gerenciamento dos custos e do gerenciamento dos riscos, conforme definidas no guia PMBOK.

A Engenharia de Custos é o ramo da engenharia responsável por analisar e controlar os custos de uma obra.

Inclui aspectos como a concepção do empreendimento, a viabilidade técnico-econômica, análises, diagnósticos, prognósticos e tudo o que envolve estimar, planejar e projetar os números relativos às etapas de um empreendimento.

Inclui a elaboração de estimativas sobre custos e o orçamento dos projetos de engenharia, análises sobre a estrutura de custos nas aquisições e sobre o valor agregado, o relacionamento com fornecedores, a administração de pleitos e contratos e a implantação de estratégias de redução de custos em projetos.

Ementa

As disciplinas do MBA em Engenharia de Custos do IBEC (360 horas), conforme consulta recente ao site, indicam a composição da temática da área:

Módulo Contratos e Custos

  • Engenharia de Custos;
  • Licitações e Contratos;
  • Desenvolvimento Profissional;
  • Negociação;
  • Metodologia de Pesquisa.

Módulo Gerenciamento

  • Gerenciamento de Obras;
  • Planejamento e Controle de Obras I e II;
  • Gestão de contratos e pleitos;
  • Preço de Serviço de Engenharia e Arquitetura;
  • Informática Aplicada.

Módulo Engenharia de Custos

  • Custos de Concessão;
  • Avaliação Econômica;
  • Estimativa de Custos;
  • Custos de Obras Especiais I;
  • Custos de Obras Especiais II.

Prática da EC em reivindicações

Diante da abrangência de conteúdo apresentado na ementa é interessante focar nos principais aspectos práticos da engenharia de custos na área de reivindicações.

Pode ser destacada a necessidade de avaliação do poder de compra da moeda, as definições de produtividade que podem ser retiradas das composições de preço unitário (CPU) e a forma de inclusão da margem de lucro e  das despesas indiretas ou empresariais na composição do preço do contrato, definida na taxa de Benefícios e Despesas Indiretas (BDI).

Os aspectos mais complexos relacionados com a revisão do preço são decorrentes da ocorrência  de fatores imprevisíveis que geram a prorrogação do prazo da obra e geralmente invalidam a taxa de BDI original contratada.

No livro “Manual de BDI”, a MBS Engenharia apresenta os fundamentos para a construção da equação econômica do contrato de uma obra.